Economia Diamantífera

Nas primeiras décadas do século XVIII, o desenvolvimento da economia mineradora foi estabelecido graças às prospecções – em sua maioria executadas por bandeirantes – que permitiram a descoberta de várias regiões ricas em metais preciosos. Em tempos ainda mercantis, o acúmulo de ouro e prata servia como uma rápida alternativa para a resolução dos problemas econômicos de Portugal.

A busca por esse tipo de riqueza acabou também viabilizando a descoberta de locais ricos em pedras preciosas, principalmente o diamante. No ano de 1721, o minerador Bernardo Fonseca Lobo noticiou a descoberta das primeiras pedras na região do Serro Frio, no arraial do Tejuco, em Minas Gerais. Inicialmente, a notícia da descoberta foi mantida em sigilo pelo explorador e outras autoridades locais que realizaram a extração ilegal.

Justificando terem dificuldades para identificar o valor comercial das pedras, os colonizadores daquela região enviaram a boa nova para Portugal em 1729. Num primeiro momento, os portugueses decidiram expulsar todos os mineradores da região e arrendou a exploração do espaço diamantífero para particulares. Essa medida visava garantir antecipadamente o lucro da metrópole e regular a valorização das pedras no mercado internacional.

Os problemas recorrentes com o contrabando de pedras e a sonegação de impostos motivaram uma séria mudança no modelo de administração dessa atividade. No final de 1771, sob influência do marquês de Pombal, o chamado Distrito Diamantino passou a ser controlado diretamente pela Coroa Portuguesa. Para realizar a exploração, o governo colonial realizava o aluguel dos escravos oferecidos pela população local. Nesse tempo, os lucros com a extração tiveram um visível aumento.

Durantes as andanças pelo território colonial, o naturalista Saint-Hilare registrou em suas anotações a presença de uma intensa atividade econômica e cultural na região do Arraial do Tejuco, local onde a exploração dos diamantes era mais intensa. Outra personagem histórica da mesma localidade foi o explorador João Fernandes de Oliveira, conhecido pelo seu grande poderio econômico e seu famoso relacionamento com a ex-escrava Xica da Silva.

No século XIX, a redução no volume de diamantes encontrados na região levou a Coroa Portuguesa a modificar o sistema de controle e administração do Distrito Diamantino. No dia 6 de março de 1838, já sob o controle do Império Brasileiro, a região do Tejuco foi elevada à condição de cidade, e mudou seu nome para Diamantina. Em 1853, os organismos que controlavam a extração dos diamantes foram finalmente extintos.

Fonte:http://www.brasilescola.com/historiab/economia-diamantifera.htm

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s